15.2.13

Dá cá aquela palha

"Uma singular revolta ensanguentou, no decorrer do ano de mil oitocentos e trinta e oito, a aprazível ilha de Barbada. Cerca de duzentos negros, entre homens e mulheres, todos há pouco tempo libertos pelas Ordenações de Março, foram pedir uma manhã ao seu antigo senhor, um certo Glenelg, que os readmitisse como escravos. Leram, então, uma lista de queixas, que levavam com eles e fora redigida por um pastor anabaptista. Depois, travou-se a discussão. Mas Glenelg, ou por timidez, escrúpulos, ou simples medo das leis, não se deixou convencer. Por causa disso foi primeiro empurrado, depois massacrado com a sua família pelos negros que naquela noite mesmo, retomaram as suas casas, as suas palhoças, trabalhos e ritos costumeiros. O caso foi rapidamente abafado graças às providências do Governador Mac Gregor e a libertação seguiu o seu curso. Quanto à lista de queixas jamais foi encontrada.
Penso muitas vezes nesta lista."

Assim começa o prefácio de Jean Paulhan presente na edição portuguesa de "A História d'O", ia o ano de 76. Sobre isto só tenho a dizer: um, que Glenelg é nome de marca de whisky; dois, não sei porque pára este livro na minha prateleira. A única coisa que ainda me vai entumescendo é a necessidade do crescimento económico. Já agora, sou eu que tenho a lista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário